Eu, homem: raça e gênero na construção das masculinidades negras

Revista Casa D’Italia, Juiz de Fora, Ano 2, n. 17, 2021 – Estela Gonçalves | Eu, homem: raça e gênero na construção das masculinidades negras O histórico do Brasil nos séculos anteriores, assim como a construção de sua história nacional, incidiu diretamente nas relações sociais estabelecidas entre brancos, negros e indígenas, bem como na formaContinuar lendo “Eu, homem: raça e gênero na construção das masculinidades negras”

 O movimento da “transição capilar” e a valorização da identidade da mulher negra

Revista Casa D’Italia, Juiz de Fora, Ano 2, n. 17, 2021 – Daniela Alexandre |  O movimento da “transição capilar” e a valorização da identidade da mulher negra Um movimento social que tem ganhado bastante notoriedade no universo da beleza, da moda, da mídia, das ruas e das redes sociais é o uso do cabeloContinuar lendo ” O movimento da “transição capilar” e a valorização da identidade da mulher negra”

Feng Shui – Conceitos, Harmonia e Fundamentos

Revista Casa D’Italia, Juiz de Fora, Ano 2, n. 17, 2021 – Ailê Cancino Mariano | Feng Shui – Conceitos, Harmonia e Fundamentos Já parou para pensar no tempo em que passamos em casa? Seja trabalhando, descansando ou aproveitando os momentos de lazer. Desse modo, é fundamental manter uma atmosfera saudável dentro de cada ambienteContinuar lendo “Feng Shui – Conceitos, Harmonia e Fundamentos”

Branquitude, não basta saber que o racismo é estrutural. Reflita sobre os seus privilégios!

Revista Casa D’Italia, Juiz de Fora, Ano 2, n. 17, 2021 – Milena Regina | Branquitude, não basta saber que o racismo é estrutural. Reflita sobre os seus privilégios!  Quando eu nasci, era preto;Quando cresci, era preto;Quando pego sol, fico preto;Quando sinto frio, continuo preto.Quando estou assustado, também fico preto;Quando estou doente, preto;E, quando euContinuar lendo “Branquitude, não basta saber que o racismo é estrutural. Reflita sobre os seus privilégios!”

Epistemicídio – O apagamento da história de um povo

Revista Casa D’Italia, Juiz de Fora, Ano 2, n. 17, 2021 – Miriam Dias | Epistemicídio – O apagamento da história de um povoo   A cultura de um povo sempre deixa marcas que não podem ser escondidas, mas são em muitos casos, descaracterizadas ou tiveram sua propriedade compulsoriamente transferida. O processo de inserção dosContinuar lendo “Epistemicídio – O apagamento da história de um povo”

Sobre afro danças, tranças, salão, resistência, vento, movimento…

Revista Casa D’Italia, Juiz de Fora, Ano 2, n. 17, 2021 – Rita de Cássia Félix | Sobre afro danças, tranças, salão, resistência, vento, movimento… O lazer e a recreação nos territórios de maioria negra no Brasil podem ser associados a uma necessidade estrutural de sobrevivência e reordenamento da ordem imposta. Tal ordem perpassa porContinuar lendo “Sobre afro danças, tranças, salão, resistência, vento, movimento…”

Onde está a história da população negra juizforana?

Revista Casa D’Italia, Juiz de Fora, Ano 2, n. 17, 2021 – Luan Pedretti | Onde está a história da população negra juizforana? No ano de 2019, o rapper Emicida lançou o seu novo projeto AmarElo, que inclui: um álbum, um documentário, a realização de um show no Theatro Municipal de São Paulo e aContinuar lendo “Onde está a história da população negra juizforana?”

Educação negra no Brasil: potencializando diálogos

Revista Casa D’Italia, Juiz de Fora, Ano 2, n. 17, 2021 – Patrícia Vidal Wanderley | Educação negra no Brasil: potencializando diálogos A educação é produto da sociedade em que se encontra e, em nosso caso, a quantidade de melanina que cada um dispõe determina e limita qualidade e o acesso ao ambiente e oContinuar lendo “Educação negra no Brasil: potencializando diálogos”

Quais são as memórias menos valorizadas na cidade de Juiz de Fora?

Revista Casa D’Italia, Juiz de Fora, Ano 2, n. 17, 2021 – Vanessa Lopes | Quais são as memórias menos valorizadas na cidade de Juiz de Fora? As memórias são construídas, herdadas, disputadas e até mesmo enquadradas de formas conflituosas. De certo, nem sempre esses processos são conscientes, mas como o sociólogo Michael Pollack jáContinuar lendo “Quais são as memórias menos valorizadas na cidade de Juiz de Fora?”

Mulheres e sistema penal

Revista Casa D’Italia, Juiz de Fora, Ano 2, n. 16, 2021 – Mariana Nicolau | Mulheres e sistema penal O sistema de justiça criminal atua de forma seletiva e estigmatizante. Os autores da chamada Criminologia Crítica apontam que o compromisso desse sistema consiste na manutenção de privilégios da classe dominante. A seletividade se dá nãoContinuar lendo “Mulheres e sistema penal”