Vozes brasileiras para ouvir em italiano – Chico Buarque

Revista Casa D’Italia, Juiz de Fora, Ano 3, n. 23, 2022 – Luana Sofiati |  Vozes brasileiras para ouvir em italiano – Chico Buarque


É amplamente conhecida a notícia de que Chico Buarque autoexilou-se na Itália logo após a emissão do Ato Institucional nº 5 (AI-5), que aprofundou a repressão e inaugurou uma fase ainda mais violenta da ditadura civil-militar. Contudo, a história de colaboração artística que ele construiu com a cena italiana ultrapassa largamente esse período e segue rendendo frutos nos anos mais recentes.

O vínculo que o cantor e compositor vinha cultivando com a música italiana nos primeiros anos de sua carreira se fortaleceu nos 14 meses em que ele e Marieta Severo, sua esposa à época, estiveram exilados em Roma. Nesse período, lançou dois álbuns em italiano, um em 1969 e outro em 1970. As 24 faixas que integram os álbuns são versões de composições originalmente escritas em português e traduzidas para o italiano com o apoio de nomes consagrados, como Enzo Jannacci, Sergio Bardotti, Giorgio Calabrese e Antonio Amurri

Do álbum Chico Buarque na Itália (1969), destacam-se as faixas La Banda (A banda) e C’è più samba (Tem mais samba), as quais já haviam sido interpretadas por Mina, respectivamente em 1967 e 1968. A tradução da primeira, feita por Chico Buarque e Antonio Amurri, tem uma letra ligeiramente mais descontraída que a original, cujo texto oscila entre a dureza da vida cotidiana e a alegria momentânea (DANIELE, 2022). Tem mais samba, por sua vez, apresenta duas versões em italiano, ambas com o título acima referido. A versão interpretada por Mina foi traduzida por Bruno Lauzi e faz alusão a uma história de amor, ao passo que a versão interpretada por Chico Buarque no disco, ao que tudo indica, foi traduzida por ele e se aproxima bastante da letra original.

Per um pugno di samba (1970) é o segundo álbum lançado por Chico Buarque em italiano. A faixa de abertura é Rotativa (Roda viva), cuja versão original havia sido premiada em 1967 no III Festival de Música Brasileira.  O letrista Sergio Bardotti versou as canções do disco para o italiano e foi um principais dos responsáveis pela difusão da música brasileira naquele país. O álbum teve, ainda, orquestração de Ennio Morricone, maestro e compositor de trilhas sonoras que aceitara o convite feito por Bardotti. Uma versão em português desse álbum foi lançada sob o título Chico Buarque e Ennio Morricone – Sonho de um carnaval, o que nos permite ouvir as canções nas duas línguas.

A rede de colaboração artística que caracteriza esses dois álbuns se fortaleceu nas décadas seguintes. Minha história, de 1971, é uma adaptação de Chico Buarque da canção italiana Gesùbambino (4/3/1943), cantada por Lucio Dalla a partir de um texto de Paola Pallottino. Em 1975, Construção foi versada por Sergio Bardotti e Enzo Jannacci e, sob o título Costruzione, interpretada por Ornella Vanoni no álbum Uomo mio, bambino mio.  Em 1976, Chico Buarque colaborou com Sergio Bardotti e Toquinho na composição de Samba per Vinícius, canção em italiano e português que integrou o álbum La voglia, la pazzia, l’incoscienza, l’allegria, lançado também por Ornella Vanoni como celebração da bossa nova brasileira e com participação de Toquinho, Vinícius de Moraes e outros músicos. Composta em 1976, a canção O que será ganhou versão em italiano em 1989 de Ivano Fossati que a interpretou junto a Fiorella Mannoia no álbum que a cantora lançou sob o título Di terra e di vento.

O título que permaneceu desconhecido até 2011, embora tenha disso gravado em 1996, Ciao Ragazzo. Chico Buarque de Hollanda e gli amici italiani, é certamente um trabalho que vale a pena mencionar. O disco duplo traz 27 faixas e se consolidou como uma grande celebração da colaboração musical Brasil-Itália. O primeiro disco traz 13 versões de suas músicas para o italiano interpretadas por Armando Corsi, Antonella Serà, Grazia di Michele, Giorgio Conte, Tosca, Vinicio Capossela, Irio de Paula e Enzo Jannacci. La costruzione, uma das faixas desse primeiro disco, é outra versão de Enzo Jannacci da canção Construção, anteriormente versada para Ornella Vanoni. O segundo disco é composto por 10 canções em português de Chico Buarque, que também interpreta Genova per noi, de Paolo Conte, e Anema e Core, canção napolitana composta por Domenico Titomaglio, Salve D’Esposito. A generosa coletânea traz ainda duas faixas bônus: Tre uomini (Teresinha) e Tatuaggio (Tatuagem), ambas versadas por Chico Buarque e Sergio Bardotti e interpretadas por Ornella Vanoni.

Entre as obras mais recentes, podemos destacar o álbum Caro Chico (2015), projeto de Susanna Stivali, cantora de jazz italiana. A primeira das 12 faixas, Morena dagli Occhi d’Acqua (Morena dos Olhos d’Agua) foi versada por Max de Tomassi junto à cantora e conta com participação de Chico Buarque. Outro brasileiro a colaborar nesse disco é Cícero, em dueto na canção Tanta saudade, cantando a parte em italiano, ao passo que a anfitriã interpreta os versos em português.

Em 2022, Chico Buarque trabalhou junto ao cantor Nicolás Farruggia no relançamento de Tutto il sentimento, versada em italiano e interpretada por Fabio Concato no álbum Voilà, de 2003. A canção original é 1987, e o contínuo movimento de retomada parece ser um convite a redescobrir a extensa rede artística sobre a qual nos ocupamos nesse breve texto. Ouvir em italiano as canções de algum modo já conhecidas em português é um exercício menos de comparação e mais de encantamento.

O quarto e último texto da série Vozes brasileiras para ouvir em italiano será dedicado a um grupo que está construindo sua carreira na Itália há mais de uma década e vem fortalecendo de forma bem particular os diálogos entre as sonoridades de cada país. Esse texto será publicado na edição de julho, e até lá você pode aproveitar o repertório já comentado e reunido na playlist do Spotify que leva o nome da nossa série.


Referências Bibliográficas:

CARONNI, Paola. Sergio Bardotti – Il grande poeta e paroliere, raccontato da sua figlia. Disponível em: https://www.ciaomag.com/home/sergio-bardotti

CHICO Buarque cantato in italiano nel disco Caro Chico di Susanna Stivali. Cultura Brasil. 2015. Disponível em: https://gianzinho-culturabrasil.blogspot.com/2015/06/chico-buarque-cantato-da-susanna.html 

CHICO Buarque – Ciao Ragazzo. Chico Buarque De Hollanda E Gli Amici Italiani.  Release. Discogs. Disponível em: https://www.discogs.com/it/release/11168474-Chico-Buarque-Ciao-Ragazzo-Chico-Buarque-De-Hollanda-E-Gli-Amici-Italiani 

DANIELE, Michele. La banda (a banda) di Antonio Amurri / Chico Buarque de Hollanda. 2022. Disponível em: https://www.hitparadeitalia.it/schede/b/banda.htm

FERRAZ, Lucas. O disco italiano esquecido de Chico Buarque. BBC News Brasil. 2 jul. 2021. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-57690085 

GANDOLFI, Giangiacomo. Quando Chico incontrò Morricone. Disponível em: http://www.musibrasilnet.it/archivio/Diciannove/chicomorrico.htm

 SCHWARCZ, Lilia. Os 50 anos do AI-5. Lembrar para não esquecer 25 set. 2018. Disponível em: https://www.liliaschwarcz.com.br/conteudos/visualizar/Os-50-anos-do-AI-5-Lembrar-para-nao-esquecer

SULIS, Ignazio. Le cover di Chico Buarque De Hollanda. 2022. Disponível em: https://www.musicaememoria.com/speciali_le_cover_di_chico_buarque_de_hollanda.htm


Luana Sofiati

É formada em Letras Português/Italiano pela UFJF e mestre em Letras pela mesma instituição. Entre 2016 e 2018, atuou como professora bolsista no Projeto de Universalização de Línguas Estrangeiras na UFJF. Enquanto professora de língua italiana, incentiva seus alunos a criarem um percurso de aprendizagem permeado pela cultura. Para ajudá-los, está sempre ampliando meu repertório de músicas, filmes, séries e outros produtos culturais.