O festival das grandes migrações

Revista Casa D’Italia, Juiz de Fora, Ano 3, n. 23, 2022 – Giorgia Miazzo | O festival das grandes migrações


O projeto Festival das Grandes Migrações, viajando em direção ao Sul na história, na identidade e no tempo presente das Comunidades Vênetas no Brasil, promovido pela Região do Vêneto, pela Associazione Veronesi nel Mondo (Associação Veronese no Mundo), pelo Centro Studi Grandi Migrazioni (Centro de Estudos de Grandes Migrações), pela profa dra. Giorgia Miazzo e pelo arquiteto Gianluca Parise, foi realizado de 22 de outubro a 13 de novembro de 2021. Tal evento foi realizado durante seis encontros online visando sensibilizar e promover a cultura e a identidade vêneta das comunidades originárias dos estados de São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Essa viagem através do conhecimento foi feita por meio da apresentação  de depoimentos e de participações de universidades italianas situadas na Itália e no exterior, entidades, associações e círculos que narraram o cotidiano, a história e a grande epopeia da imigração vêneta no Brasil.

Il Festival delle grandi Migrazioni – programma

Houve, durante os eventos, o compartilhamento de um precioso arquivo fotográfico e multimídia composto de fotos e depoimentos, em vídeo, dos imigrantes, em dialeto vêneto, com legendas em italiano, português, espanhol, francês e inglês, para beneficiar o  público internacional da Itália, do Brasil e das comunidades vênetas no exterior. Cada noite havia a apresentação de um estado diferente, acompanhada de um primeiro guia de viagem de descoberta  de um Brasil todo italiano, intitulado “Brasil – Viajando em direção ao Sul”. Tal texto conduz a uma viagem através de seis percursos temáticos, ressaltando a riqueza cultural e a excepcionalidade do legado das Grandes Migrações, reconhecíveis nas pessoas, nas tradições, na economia e na arquitetura dessas comunidades ítalo-vênetas-brasileiras. Tudo isso pode ser vivenciado ainda nos dias de hoje por aqueles que querem viajar e observar a riqueza cultural de um Brasil que foi formado e construído também por imigrantes.

Portanto, o Festival das Grandes Migrações tornou-se a abertura de um novo  caminho para a descoberta do sul do Brasil, evidenciando a riqueza e o valor identificativo das comunidades ítalo-vênetas que se desenvolveram em contextos climáticos, ambientais e culturais diferentes e que ainda são pouco conhecidas, tanto na região do Vêneto quanto nas Américas.

O primeiro encontro para tratar do tema As Grandes Migrações no Brasil foi realizado na sede institucional da Sala Arazzi, na Cidade de Verona, com a participação, tanto presencial quanto online,  do presidente da Associazione Veronesi nel Mondo (Associação Veronese no Mundo), Enzo Badalotti, do Cônsul Geral da Itália em São Paulo, Filippo La Rosa, do idealizador  do festival, o arquiteto Gianluca Parise e da coordenadora, profa. Dra. Giorgia Miazzo, que fez uma palestra sobre as Grandes Migrações. O encontro ainda contou com as valiosas participações do Museo dell’Emigrazione, dos círculos vênetos e das escolas italianas de São Paulo.

No dia 24 outubro, os Italo-Veneti del Paraná – Industriosità dei Migranti e i Veneti de Santa Felicità, foi tema de uma palestra elaborada pelo Centro Studi Grandi Migrazioni (Centro de Estudos de Grandes Migrações), com participações das Universidades de Londrina e Curitiba, da Associazione Kuchipudi ( Associação Kuchipudi), da Comunità di Cascavel (Comunidade de Cascavel), além do precioso documentário sobre a história das comunidades de Santa Felicidade. 

No dia 30 de outubro chega-se ao próximo destino da viagem: o estado de Minas Gerais. Nesse encontro, o tema abordado foi: 1888 – O FIM DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL, do qual participaram o  Centro Studi Grandi Migrazioni (Centro de Estudos de Grandes Migrações), a Universidade UNIVALE, a Casa d’Italia de Juiz de Fora e as comunidades vênetas de Belo Horizonte, Andradas e Poço de Caldas. Durante o encontro foi proferida a palestra “O CAFÉ – OURO NEGRO DAS AMÉRICAS, elaborada pela Accademia del Caffè Prospero Alpini, sobre a história do botânico e cientista Prospero Alpini, o primeiro a descrever a planta do café no Horto Botânico de Padova em 1500,  e a história do êxito, como empreendedor, de Geremia Lunardelli, migrante de Treviso, região vêneta, que se tornou “o Rei do Café na América”. 

Sempre na plataforma online, no dia 5 de novembro foi feita a apresentação que teve como tema ESPÍRITO SANTO: OS PRIMEIROS MIGRANTES NO BRASIL. As questões referentes à língua, identidade e conscientização do mono ao plurilinguismo foram abordadas pela Università degli Studi di Padova, que esse ano completa 800 anos, introduzindo o tema do folclore, usos e costumes, gastronomia e festas dos vênetos em Nova Venda do Imigrante, além das excepcionais experiências da Confraternita della Polenta di Verona e do Radicchio di Verona IGP.

O penúltimo encontro, realizado em 7 de novembro, abordou o tema TURISMO DE RAÍZES NO SUL DO BRASIL, com a participação das Universidades UNIBAVE, de Verona e de Mar del Plata, as preciosas participações das comunidades de Azambuja, fundada em 1977, de Nova Veneza, e das comunidades do oeste catarinense, como Xavantina. Além disso, foi apresentada a experiência do projeto de Mericalandia, um parque de diversões desenvolvido com base no tema das Grandes Migrações no Brasil, elaborado pelo arquiteto Gianluca Parise.

A última etapa do Festival teve como tema os vênetos no Rio Grande do Sul, por meio da apresentação do projeto Cantando in Talian, elaborado pela profa dra. Giorgia Miazzo, que é realizado a cada dez anos e que contou com a participação de mais de 20 mil estudantes e 300 comunidades do Brasil, juntamente com as participações da Associação ANEA Brasil, do Caminhos de Pedra e das comunidades de Bento Gonçalves, Caxias do Sul, Ana Rech e a Quinta Colônia. 

A procura pelo Festival das Grandes Migrações foi muito positiva, com a participação de um público vindo de várias regiões vênetas e dos países dos migrantes ítalo-vênetos, como Brasil, Venezuela, Argentina, México e Estados Unidos.

Esta viagem de descoberta das raízes em comum que ligam o contexto vêneto aos territórios além-mar, com o objetivo de promover e valorizar o patrimônio histórico, econômico e social, tornou-se uma oportunidade de percorrer virtualmente um itinerário em um Brasil diferente e  menos conhecido em relação às zonas de maior fluxo turístico. Trata-se, sem dúvida, de uma experiência a ser repetida unindo os dois mundos, e esperamos que, em breve, isso possa ser feito não apenas virtualmente.


Giorgia Miazzo

È consulente linguistica, interprete e traduttrice giurata, scrittrice, giornalista e tour leader abilitata. Presidente del Centro Studi Grandi Migrazioni e consultrice regionale per i Flussi Migratori. Esperta della cultura dell’America Latina, interagisce a livello professionale e accademico in vari paesi nelle Americhe e in Africa. Ricercatrice del patrimonio immateriale dell’emigrazione italo-veneta nel mondo, svolge giornate studio in Italia e all’estero e ha gestito dieci tournée in Brasile. Ideatrice di progetti quali Cantando in talian o veneto-brasilian, Viaggio di sola andata per la Mèrica, Racconti di due mondi, Veneti al de là del mar, Le grandi migrazioni, Grand Tour do Sul, Occhi oltre il mare. Oltre a partecipazioni radiofoniche e televisive nazionali, articoli su giornali e riviste specializzate in Italia e all’estero, ha istituito il comitato scientifico VSA-M dell’Università degli Studi di Padova e il progetto permanente Grandi Migrazioni. Ha pubblicato le seguenti opere: Cantando in talian. Imparar el talian co la mùsica; Scoprendo in talian. Viaggio di sola andata per la Mèrica; Descobrindo o talian; Le grandi migrazioni. Dal nord Italia al Brasile; I miei occhi hanno visto. 45 viaggi alla scoperta del mondo; Veneti al de là de Mar: Fotografie e Racconti d’Oltreoceano; Brasile – Viaggiando verso Sud. La prima guida di viaggio alla scoperta di un Brasile tutto italiano. È stata premiata con: Premio internazionale Globo Tricolore dalla Presidenza della Repubblica Italiana e RAI; Premio per il Miglior Lavoro nelle Discipline Umanistiche dal Consiglio della Regione del Veneto, Premio Internazionale Salva la tua Lingua Locale al Campidoglio, Premio Scalabrini Lingue Madri, Premiazione Patrimonio Regione del Veneto a Villa Settembrini, Premiazione I Miei Occhi hanno visto presso il Senato della Repubblica e il Consiglio della Regione del Veneto.