Metodologia qualitativa da pesquisa

Revista Casa D’Italia, Juiz de Fora, Ano 2, n. 18, 2021 – Sandra Nicoli |  Metodologia qualitativa da pesquisa


De natureza qualitativa, a pesquisa “I/Emigração em Itueta e Santa Rita do Itueto — a chegada dos nonos e a partida de seus descendentes para o norte da Itália” objetivou realizar uma investigação de natureza descritiva a partir de um enfoque mais subjetivo, descrevendo aspectos intrínsecos, não facilmente revelados do objeto de estudo. Nesse tipo de pesquisa, além de entrevistas em profundidade, relatos orais, observação, utiliza-se análise de documentos coletados ao longo do estudo.

Os sujeitos da pesquisa foram os descendentes mais antigos residentes em Itueta, Santa Rita do Itueto ou proximidades e aqueles que emigraram para a Itália — com o recurso da cidadania ou que a adquiriram no destino — e que retornaram para a região em definitivo ou estavam a passeio.

Com o primeiro grupo, ou seja, os descendentes de imigrantes italianos mais antigos residentes nas localidades em estudo, utilizou-se a técnica dos relatos orais. Esses sujeitos foram identificados através de contatos com os moradores antigos da região.

Os relatos orais possibilitam ao informante relembrar situações vivenciadas no passado e resgatar informações que possibilitarão compreender o fenômeno estudado. Assim sendo, todo relato é baseado na experiência vivida por um ator social que fala de suas perspectivas e sensações em relação a um determinado fato social. Nos relatos orais, o informante recorre à sua memória do vivido na coletividade. Isso significa que a memória individual está também inserida no coletivo.

Essa técnica se mostrou adequada à pesquisa, tendo em vista que o grupo pesquisado nos forneceu não apenas informação sobre sua experiência vivida, mas também os registros em suas memórias das histórias contadas e recontadas por seus antenatos sobre a Itália e a viagem para o Brasil. Desse grupo, também foram coletadas informações de fonte documental dos seus acervos particulares, como fotografias, cartas e documentos que continham dados sobre o percurso da Itália até a Região Imediata de Aimorés-Resplendor.

Registro do Exército Italiano de Ton Guiseppe – Treviso

O segundo grupo de informantes foi constituído pelos descendentes portadores do documento de cidadania italiana, maiores de 18 anos, que emigraram e retornaram em definitivo ou estavam a passeio na região. Com esse grupo foi utilizada a técnica de entrevista em profundidade. Para identificar esses sujeitos, utilizou-se a técnica “bola de neve”, em que um sujeito vai informando sobre outro(os) sujeito(os) dentro do perfil pesquisado.

Essa técnica consiste em identificar alguns elementos com características para compor a amostra. Nesse caso, foram considerados os emigrantes descendentes que retornaram em definitivo ou estavam a passeio na região. Os primeiros sujeitos indicaram outros que, por sua vez, também fizeram outras indicações, até chegar a um número em que as informações e indicações começaram a se repetir. 

Seguindo a metodologia da técnica bola de neve, foi possível conseguir, através das indicações, os informantes do grupo I (descendentes mais velhos). Coletando dados com o primeiro grupo, iniciou-se também a coleta de dados com os sujeitos do segundo grupo (descendentes que emigraram para a Itália e estavam na região durante a realização da pesquisa — 2011/2012). Para encontrar os sujeitos desse grupo foi também utilizada a técnica bola de neve.

Ao final de oito meses em campo, foram realizados 29 relatos orais com informantes do primeiro grupo e 15 entrevistas em profundidade com o segundo grupo, além da pesquisa documental, do registro fotográfico e das anotações no diário de campo. Enfatiza-se que tanto os sujeitos do primeiro grupo quanto os do segundo grupo, residentes em Itueta ou Santa Rita do Itueto, indicaram tanto pessoas do seu município quanto pessoas de municípios que fazem limite. Isso se deve ao fato de serem famílias conhecidas na região e viverem em uma área geográfica pequena se comparada a outros municípios mineiros.

Caixa de Fotografias Luzia Campos Del’Orto Fazzolo

Após a coleta dos relatos orais e das entrevistas em profundidade, esses foram transcritos e analisados para buscar responder o objeto central da referida pesquisa, ou seja: passados quase cem anos da chegada de diversas famílias de imigrantes italianos aos municípios de Itueta e Santa Rita do Itueto, muitos de seus descendentes iniciam um caminho de retorno. Quais foram os fatores locais e globais que levaram a geração atual a tomar o caminho de volta percorrido pelos antepassados até a região? Quais as diferenças e semelhanças da imigração dos nonos e da emigração de seus descendentes? Qual o impacto desses movimentos no território? Essas são questões que nortearam a pesquisa. 


Referências bibliográficas:

BECKER, Howard. Métodos de pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Hucitec, 1993.

NICOLI, Sandra. I/Emigração em Itueta e Santa Rita do Itueto – a chegada dos nonos e a partida de seus descendentes para o norte da Itália. Dissertação (mestrado). Universidade Vale do Rio Doce, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Gestão Integrada do Território, Governador Valadares, MG, 2014. 

SIQUEIRA, Sueli. O trabalho e a pesquisa científica na construção do conhecimento. 2 edição. Editora Univale. Governador Valadares, 2005. 

SIQUEIRA, Sueli. Sonhos, sucesso e frustrações na emigração de retorno. Brasil/Estados Unidos. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2009. 


Sandra Nicoli

Mestre em Gestão Integrada do Território pelo Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Vale do Rio Doce – Univale (2014). Possui graduação em Licenciatura Plena em História pela Universidade Vale do Rio Doce (2007). Atuando nos seguintes temas: Migração Internacional, Território e Cultura. Pesquisadora no grupo de pesquisa: Migrações Internacionais contemporâneas da Universidade Vale do Rio Doce – Univale. Participante no grupo de estudos e pesquisa: Perspectivas no Ensino de Metodologia e Produção Científica. Membra do Grupo de Trabalho Minas – Itália. Conselheira do Patrimônio Histórico e Cultural de Governador Valadares/MG (2018-2022). Participante do Grupo Intensivo de Educação Patrimonial em Prática no município de Governador Valadares/MG. Membra da Comissão de AutoAvaliação do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Gestão Integrada do Território da Universidade Vale do Rio Doce. Colaboradora nas edições da Revista Casa D`Itália. Professora da disciplina de Metodologia Científica nos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu na Universidade Vale do Rio Doce – Univale (2015-2021). Endereço para acessar o CV: http://lattes.cnpq.br/8720126400304425. E-mail: nicolinicoli@hotmail.com; sandranicolinicoli@gmail.com