O legado italiano em Minas Gerais e a Ponte entre Culturas

Revista Casa D’Italia, Juiz de Fora, Ano 1, n. 5, 2020 – Giusi Zamana | O legado italiano em Minas Gerais e a Ponte entre Culturas


A 10ª edição do Seminário da Imigração Italiana em Minas Gerais aconteceu na modalidade virtual entre os dias 6 a 10 de outubro de 2020. Ao longo de cinco dias, foram realizadas catorze atividades diversas, por um total de vinte e duas horas de programação, entre mesas redondas, palestras, apresentações de trabalhos e de vídeos. 

Nesta edição, o evento revelou plenamente seu caráter “transversal” na medida em que, de certa forma, pode-se dizer que extrapolou a “italianidade” assumindo uma dimensão  mais abrangente graças à multidisciplinariedade e variedade de assuntos, de interesses e de temáticas abordadas, graças também à diversidade dos 62 participantes, entre os quais havia representantes governamentais e docentes universitários, italianos e brasileiros, pesquisadores, estudantes e descendentes de imigrantes.  

O sucesso do evento se deve à sinergia e abrangência da rede de parceiros envolvidos: 45 entre realizadores, patrocinadores e apoiadores, sendo instituições públicas e privadas, empresas, universidades, associações de categoria e entidades culturais reconhecidas.  

Em termos geográficos, os trabalhos interessaram 16 cidades em diferentes regiões de Minas onde a presença italiana foi marcante, e múltiplas áreas de conhecimento como: história, sociologia, direito, arquitetura, fotografia, literatura, genealogia, cultura alimentar, educação, esporte, biografias, memórias e trajetórias familiares.

As sessões internacionais abordaram temas contemporâneos como o das relações bilaterais e a cooperação entre Itália e Minas,  retratando experiências italianas e mineiras de sucesso que objetivam o desenvolvimento local sustentável, baseado nas pequenas e médias empresas, na agricultura familiar, na agroecologia e no agroturismo.

O evento foi prestigiado por um público amplo e diversificado, contabilizando mais de mil inscrições, 8 mil visualizações e cerca de 2500 espectadores únicos, ao vivo, no youtube.

Foto: Katia Lombardi

A modalidade on line favoreceu a participação dos mais jovens, como revelam os dados estatísticos do canal youtube do Seminário, mostrando que 50% dos espectadores tinha idade entre os 18 e os 44 anos. A grande participação dos jovens se deu também entre os apresentadores de trabalhos, seja em formato de pôster, de estudos finalizados ou em andamento, seja no formato audiovisual. A este propósito, realçamos a importante contribuição da Associazione Lucchesi Toscani nel Mondo de Jacutinga, no sul de Minas, que conta com uma grande participação de jovens e que todo ano movimenta projetos e intercâmbios com a Itália. Um dos pontos altos da programação também ficou por conta das  jovens gerações, com o vídeo “Raízes italianas de Juiz de Fora”, fruto do trabalho voluntário – realizado, porém, com grande competência e profissionalismo – pelos integrantes do Departamento de Cultura da Casa D’Italia da cidade que é conhecida por ter sido a principal porta de entrada da maior leva de imigrantes italianos em final de 1800. O documentário ilustrou com detalhes o intenso e belíssimo trabalho de revitalização do espaço que – ao longo de 80 anos – se tornou um símbolo de integração ítalo-brasileira e que toda a comunidade local reconhece como um bem coletivo e comum, independentemente da questão identitária. A Casa D’Italia de Juiz de Fora permanece no tempo, resistindo às investidas da especulação imobiliária, sendo a única remanescente construída na época. E se hoje o espaço está mais ativo do que nunca, devemos agradecer às novas gerações de descendentes que com muita garra, sensibilidade e grande paixão estão empenhados na revitalização da Casa. Através dos projetos e eventos promovidos pelo Departamento de Cultura, a Casa d’Itália continua e amplia a missão original, sendo um importante equipamento cultural da cidade de Juiz de Fora e do estado de Minas Gerais, reconhecido como tal por todas as instituições que lidam com patrimônio, cultura e educação. A interação com os artistas e com o meio intelectual e acadêmico, a promoção de atividades culturais e de formação, exposições, cursos, eventos diversos, além das aulas de língua e cultura italiana, projetos socioeducativos, esportivos são por excelência um contexto de integração e de diálogo cultural imprescindível. Devemos reconhecer e agradecer muito o empenho destes jovens que tanto valorizam suas raízes, sinônimo de cultura e de sensibilidade.

O 10º Seminário marcou o ápice de uma trajetória iniciada em 2005, com a fundação da Ponte entre Culturas, associação de artistas e profissionais de diversas áreas, que se identificaram com a ideia de promover intercâmbios e compartilhar conhecimentos, experiências e boas práticas baseadas em uma cultura de paz e de solidariedade entre os povos e na convicção de que a arte, a cultura e a educação podem transformar pessoas e sociedades.

Em 2005 a Ponte entre Culturas idealizou o projeto do Seminário da Imigração Italiana no intuito de atender à necessidade de estudar, divulgar e preservar a história e a memória da presença italiana em Minas Gerais, fortalecendo também os laços entre Minas e a Itália.  Para realizar a primeira edição, que aconteceu no Museu Abílio Barreto em setembro de 2005, a Ponte contou com a colaboração e parceria do Comites MG (Comitato degli Italiani all’Estero) principalmente nas pessoas de sua presidente, Silvia Alciati, hoje conselheira do Consiglio Generale Italiani all’Estero (CGIE) e do então conselheiro do COMITES Giulio Mattiazzi, que hoje reside na Itália e é professor e pesquisador na Universidade de Padova. Foi também naquela oportunidade que se deu a primeira colaboração com o historiador Anísio Ciscotto Filho.  Outros profissionais foram se unindo à rede de colaboradores e parceiros ao longo destes 15 anos. São muito(a)s, não conseguimos citá-lo(a)s todo(a)s, mas o que é importante dizer é que em 2020, graças a esta rede de colaboradores  integrando a comissão organizadora do 10º Seminário, pudemos realizar uma edição ampliada do evento, inaugurando uma nova fase. Em 2021, pretendemos manter a modalidade virtual e vislumbramos ultrapassar as fronteiras de Minas, tendo em vista mais uma edição internacional que tratará da história do café e da ferrovia, da transição do trabalho escravo ao trabalho assalariado abrangendo, portanto, outros estados brasileiros, além de Minas. E queremos também convidar pesquisadores, instituições e público italiano para conhecer melhor esta história comum e para falar dos museus e arquivos das migrações e do turismo de raízes, chamado também de turismo de retorno. Temas que conferem maior importância ao passado, na medida em que nos permitem entender o presente, atravessando uma ponte temporal, que é também uma ponte cultural entre Brasil e Itália, abrindo novas possibilidades rumo a colaborações e intercâmbios nos mais diversos âmbitos: cultural, turístico, acadêmico, profissional, etc.

Fica aqui o nosso convite para continuarmos conectados, atuando em sinergia, pessoas e instituições, entidades, comunidades, pesquisadores, famílias e descendentes, em uma rede que objetiva preservar e valorizar a história e a memória, trocar informações, compartilhar conhecimentos.

Inscreva-se no canal youtube: Seminário Imigração Italiana MG. Vamos ficar conectados:  facebook.com/SeminarioImigracaoItalianaMG / instagram.com/imigracaomg



Giusi Zamana

Gestora cultural, italiana, residente no Brasil, fundadora da Ponte entre Culturas – MG.


%d blogueiros gostam disto: